CSP-Conlutas intensifica lutas contra Reforma da Previdência

Realizada neste último final de semana, em São Paulo, reunião da Coordenação Nacional da CSP-Conlutas aprova resolução para intensificar lutas contra a Reforma da Previdência.

Greve Geral para derrotar a Reforma da Previdência (Se colocar pra votar, vamos parar)

O governo Temer está disposto a atender aos pedidos do empresariado e aprovar a Reforma da Previdência antes de fechar o ano de 2017. Apesar das dificuldades para angariar votos favoráveis à aprovação, o governo ganhou um fôlego com o recuo da greve nacional de 5 de dezembro e está em forte toma lá dá cá com os políticos em troca de votos.

É preciso resistir e defender a aposentadoria dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiras.  É preciso barrar essa reforma.

A CSP-Conlutas tem defendido a necessidade de uma greve geral para derrotá-la e se posicionou de maneira firme contra a cúpula da maioria das centrais ao desmarcar a greve nacional do dia 5.

Fizemos um chamado nacional a que se mantivesse o dia de luta, com mobilizações e atos na maioria das capitais e paralisações em algumas delas. A CSP-Conlutas foi parte importante da manutenção das atividades do dia.

Na última reunião das centrais, realizada nesta sexta-feira (8), a CSP-Conlutas defendeu a marcação imediata da greve geral, entendendo que é fundamental uma data para preparar a paralisação. Entretanto, a maioria das centrais defendeu que ao não ter marcada a votação da reforma, não é possível marcar a paralisação. Assim ficou aprovado que a greve será convocada imediatamente caso seja marcada data para a votação no Congresso Nacional. [Confira aqui a nota unitária das centrais sindicais]

A partir da decisão das centrais, nos próximos 15 dias haverá uma jornada de lutas com a palavra de ordem: “Se colocar em votação, o Brasil vai parar”. Foi aprovada a realização de plenárias estaduais que organizem mobilizações unitárias de cidades de todo o país, assembleias de trabalhadores, protestos em aeroportos, manifestações e protestos dos movimentos sociais.

Diante de tal resolução, a CSP-Conlutas convoca todas as suas entidades e movimentos a realizarem uma forte mobilização a partir desta semana para impedir a votação da Reforma da Previdência.

A CSP-Conlutas estará nas ruas, nos locais de trabalho, nas escolas, nas universidades, nas lutas dos movimentos sociais e pronta para convocar a greve geral em defesa da aposentadoria dos trabalhadores.

É preciso buscar reativar os “Comitês de luta contra as reformas da previdência e trabalhista”, de maneira ampla. Fazer o chamado aos sindicatos e às centrais em cada estado e região para construir esses espaços de unidade de ação e fortalecer desde baixo um movimento contra as reformas.

Cumprindo o seu papel de unificar os trabalhadores organizados em sindicatos e movimentos populares, estudantil e de luta contra a opressão, precisamos construir esses espaços também em parceria com tais movimentos, incorporando suas demandas e lutando de maneira conjunta.

Frente à traição das cúpulas das grandes centrais sindicais, que cancelaram a convocação da greve nacional do dia 05/12. E frente à continuidade da trégua imposta por estas centrais que na sua última reunião se recusaram a apontar a construção de um plano de luta e uma nova greve geral, a CSP-Conlutas vai denunciar em seus materiais essa traição e a trégua das centrais exigindo a construção de uma nova greve geral já, construída a partir da base, com assembleias e comitês por local de trabalho e estudo que seja capaz de barrar a reforma da previdência e revogar a reforma trabalhista.

Neste sentido, vamos propor a todos os sindicatos, independente das centrais a que são filiados, que votem também, em suas bases, a rejeição às reformas e o chamado a que as centrais convoquem a greve geral.

A Coordenação Nacional da CSP-Conlutas, reunida nos dias 08, 09 e 10 de dezembro de 2017, reafirma a necessidade de construir a greve geral contra a Reforma da Previdência, contra a implementação da reforma trabalhista, pela revogação da lei da terceirização e pelo Fora Temer e todos os corruptos do Congresso.

Plano de ação

Orientar as entidades e movimentos filiados a intensificar a mobilização/luta na próxima semana e na de votação da reforma da previdência, dada a sua real possibilidade para 18 de dezembro de 2017;

Orientar também que as entidades e movimentos articulem plenárias/assembleias/reuniões unitárias para aprovar a greve no dia 18.12.2017, data provável de votação da reforma da previdência;

Realizar um Dia Nacional de Luta, em 13 de dezembro, contra a reforma da previdência.

Confira também a manifestação da CSP-Conlutas sobre a viabilização de R$ 500 milhões do Imposto Sindical para Centrais Sindicais 

Acesse no site de origem.

Fechar Menu

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas