Um mês após Brumadinho, audiência pública na Alesp discute barragens de SP

Devastação em Brumadinho. Foto: Mídia Ninja

A situação das barragens no Estado de São Paulo, após as duas tragédias em Minas Gerais (Mariana e Brumadinho), será tema de uma audiência pública na noite desta segunda-feira, 25 de fevereiro, na Assembleia Legislativa (Alesp). O rompimento da barragem de Brumadinho completa um mês e a data está sendo marcada pela realização de atos em várias cidades. O último balanço da Defesa Civil contabiliza 176 mortos e 134 desaparecidos.

Com o apoio do Sintrajud, a audiência pública na Assembleia Legislativa é promovida pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e por entidades parceiras. Segundo o Movimento, a maior parte das barragens no Estado não tem fiscalização governamental e opera com laudos de segurança emitidos pelas próprias empresas. “São casos de potencial de dano altíssimo no interior, litoral, Vale do Ribeira, Grande São Paulo e na capital”, diz uma nota divulgada pelo MAB.

Entre os casos apontados como preocupantes pelo Movimento, estão as barragens das hidrelétricas de Salto Grande, em Americana, e de Pirapora do Bom Jesus, no Rio Tietê. O MAB  também aponta a existência de barragens de rejeitos “com potencial de dano altíssimo e alto índice de contaminação” e cita como exemplos quatro barragens nos municípios de Cajati (Vale do Ribeira), Alumínio (região de Sorocaba) e até na cidade de São Paulo, no bairro de  Perus.

Ainda na Grande São Paulo, são motivo de preocupação, segundo o MAB, projetos em andamento no âmbito do Plano Diretor de Aproveitamento dos Recursos Hídricos da Macrometrópole Paulista. O Plano prevê transposições de rios, como do Itapanhaú, em Bertioga, e construções de barragens destinadas a aumentar a disponibilidade hídrica.

A audiência terá a participação de atingidos por barragens de São Paulo, que pretendem denunciar aos deputados e à sociedade a situação das regiões afetadas. “Não queremos que mais crimes contra a vida e o meio ambiente se repitam”, diz a nota do MAB. “Exigimos um plano de segurança para as barragens paulistas e maior seriedade com a vida humana e ambiental.”

Barragens em São Paulo: estamos seguros?

Audiência Pública na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

Auditório Paulo Kobayashi

Segunda-feira, 25/02

18 horas