Trabalhadores protestam contra “Nova previdência” na Avenida Paulista e em Santos

 

Fotos: Gero Rodrigues

 

A aprovação em segundo turno da ‘reforma’ da Previdência na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 6 de agosto, foi precedida de atos de protesto em várias cidades do país, organizados por sindicatos e movimentos sociais ligados à CSP-Conlutas.

Em São Paulo, cercados por um grande contingente de policiais militares, os trabalhadores se concentraram a partir das 17 horas no vão do Masp, na Avenida Paulista, e fizeram uma caminhada até as proximidades da Praça do Ciclista, na esquina com a Rua da Consolação, onde funciona o escritório da Presidência da República na capital.

Além da ‘reforma’ previdenciária, os protestos desta terça-feira tiveram como alvo os ataques às liberdades democráticas, promovidos pelo governo Bolsonaro, e os cortes no orçamento da Educação.

O ato na Paulista contou também com a participação de muitos estudantes e movimentos da juventude. “Não é balbúrdia, é rebeldia; estamos na rua para defender a aposentadoria”, entoavam, em coro. Na próxima terça-feira, 13 de agosto, estão programadas manifestações em todo o país pelo Dia Nacional de Mobilização em Defesa da Previdência e da Educação Públicas, convocado pelas centrais sindicais e outras entidades.

 

Tenda do Sintrajud

Servidores do Judiciário Federal participaram da manifestação e o Sintrajud montou sua tenda diante do Fórum Pedro Lessa, convocando a categoria e a população a assinar o abaixo-assinado contra a ‘reforma’. Ao longo da tarde, muitas pessoas passaram pelo local e reforçaram o número de assinaturas no documento, que está sendo encaminhado às centrais sindicais e, destas, aos parlamentares.

Depois da votação na Câmara, a proposta de ‘reforma’ apresentada pelo governo Bolsonaro segue para o Senado. Na Avenida Paulista, os manifestantes apontaram os direitos que estão sendo atacados e os prejuízos causados aos trabalhadores, principalmente os mais pobres.

Tanto os servidores do Judiciário Federal que discursaram em frente ao Pedro Lessa como os representantes de outras categorias e de movimentos sociais que falaram durante a concentração no vão do Masp e a caminhada na Paulista destacaram que os privilégios não estão sendo combatidos pela “Nova previdência”, ao contrário do que alega o governo.

Panfletagem em Santos

Em Santos, o Fórum de Defesa das Aposentadorias realizou panfletagem para explicar as maldades contidas na ‘reforma’ e denunciar dois deputados da região que votaram a favor do projeto: Rosana Valle (PSB) e Júnior Bozzela (PSL).

Foto: Fórum de Defesa das Aposentadorias (Facebook)

Os integrantes do Fórum, que conta com a participação da subsede do Sintrajud na Baixada Santista, já  haviam feito um “escracho” diante do prédio onde mora a deputada, em Santos, no último sábado, 3 de agosto.

A posição da deputada causou ainda mais revolta porque ela havia declarado que votaria contra a ‘reforma’. No dia seguinte, Rosana postou vídeo no Facebook atacando os manifestantes e tentando justificar seu voto.

Nesta quinta-feira, 8, o Fórum de Defesa das Aposentadorias promove uma audiência pública sobre a reforma da Previdência na Câmara Municipal de Praia Grande. A diretora do Sintrajud Lynira Sardinha, servidora aposentada da JT Cubatão, será uma das palestrantes, além do advogado Cesar Lignelli, coordenador jurídico do Sindicato, e do professor e assistente social Diogo Sampaio, membro da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito.