Sintrajud celebra Consciência Negra e “21 dias de ativismo” com evento no auditório e na internet


17/11/2022 - Hélio Batista Barboza
Programação inclui rodas de conversa, sarau e coquetel, com reflexão sobre violência, gênero e cultura negra

Com um evento em formato híbrido (presencial e on line), o Sintrajud celebra neste sábado, 19 de novembro, a partir das 14 horas, o Mês da Consciência Negra e o início dos “21 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher.

A programação organizada pelo Coletivo de Mulheres do Sintrajud – Mara Helena dos Reis e pela diretoria do Sindicato inclui uma mesa de discussão sobre a violência étnica e de gênero, com a participação de duas mulheres que foram candidatas a cargos majoritários nas últimas eleições: Raquel Tremembé e Madalena Nunes.

Raquel tem 39 anos, é da etnia Tremembé e foi a única indígena em chapa majoritária nas eleições de 2022, concorrendo à vice-presidência da República pelo PSTU, na chapa encabeçada por Vera Lúcia. Seu nome verdadeiro é Kunã Yporã.

Já Madalena Nunes concorreu pelo PSOL ao governo do Piauí. Ela tem 50 anos e é servidora da Justiça Federal nesse estado, atuando também como dirigente do sindicato local de servidores do Judiciário (Sintrajufe-PI). Além disso, desenvolve uma militância contra o feminicídio no Piauí.

A segunda parte do evento deste sábado terá como palestrante Eduardo Galindo, em uma roda de conversa sobre a capoeira angola e sua relação com a cultura negra. Servidor da JT de São paulo Eduardo é instrutor de capoeira nas aulas semanais oferecidas pelo Sintrajud à categoria. Além da palestra, ele vai apresentar um pouco da música de capoeira e mostrará um impressionante solo de berimbau.

O evento contará ainda com as apresentações musicais de Cátia Toledo (servidora da JF Bauru) e Dinah Noleto (oficiala de justiça aposentada da JF) e com um coquetel para quem comparecer ao Auditório do Sintrajud. Quem não puder participar presencialmente, poderá acompanhar tudo pela internet, por meio da plataforma Zoom (). Não perca!

21 dias de ativismo

O período entre 25 de novembro, Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher, e 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, é reconhecido pela ONU como sendo de mobilização para erradicar esse tipo de violência.

No Brasil, o início da campanha foi antecipado para 20 de novembro, o Dia da Consciência Negra, formando os 21 dias de ativismo, já que a violência contra as mulheres atinge ainda mais as mulheres negras.

 

 

19/11 – a partir das 14h, no Auditório do Sintrajud

RAÍZES DA CULTURA NEGRA, VIOLÊNCIA ÉTNICA E DE GÊNERO

Rodas de conversa, sarau e coquetel

presencial e on line

 

 

VIOLÊNCIA ÉTNICA E DE GÊNERO

 

Palestrantes:
Raquel Tremembé – pedagoga, integrante da Articulação da Teia de Povos de Comunidades Tradicionais do Maranhão, membro da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas e ex-candidata a vice-presidente da República pelo PSTU.
Madalena Nunes – dirigente do Sintrajufe-PI, servidora da Justiça Federal e ex-candidata a governadora do Piauí pelo PSOL. Integra o Núcleo Piauí da Auditoria Cidadã da Dívida Pública e a Frente Popular de Mulheres Contra o Feminicídio no Piauí.
Companheiras do Coletivo de Mulheres

 

 

RAIZES NEGRAS: o critério da prática na Capoeira Angola.

 

• Palestrante: Edu Galindo, que fará sua exposição trazendo também um pouco da música de capoeira e fechando com um solo de berimbau.

 

Mediação: Luciana Carneiro – diretora do Sintrajud e servidora do TRF-3

 

+ Sarau cultural e coquetel

 

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM