“Sem anistia”: Sintrajud participa de manifestações em São Paulo contra o golpismo bolsonarista


10/01/2023 - Niara Aureliano - especial para o Sintrajud
Sindicato convocou categoria a aderir aos atos pela democracia; servidores e diretores participaram na Avenida Paulista, Largo de São Francisco e Baixada Santista

Todas as regiões do país registraram atos nesta segunda-feira (9) contra os atentados realizados por bolsonaristas às sedes dos três Poderes no último domingo, 8 de janeiro, em Brasília.

 

Na capital paulista, a Avenida Paulista e a Faculdade de Direito da USP, no Largo de São Francisco, concentraram milhares de manifestantes denunciando a tentativa golpista dos apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e prometendo resistência pró-democracia.

 

Outro grupo se reuniu na Estação da Cidadania, no centro de Santos, em manifestação organizada pela Frente Sindical Classista, da qual faz parte a subsede do Sintrajud na Baixada Santista.

Sindicato disponibilizou banca para confecção de cartazes (foto: Jesus Carlos)

 

Na Avenida Paulista, sob o convite “Faça seu cartaz”, o Sindicato reuniu ativistas de entidades sindicais e outros participantes do ato na preparação de materiais para a caminhada, o que transformou a barraca do Sintrajud em ponto de encontro dos servidores públicos. “Derrotamos nas urnas, vamos agora derrubar o bolsonarismo nas ruas!”, dizia o chamado do Sindicato, que levou dezenas de servidores do Judiciário Federal à manifestação.

 

O servidor do TRT Fabiano dos Santos, um dos diretores do Sintrajud que participaram do ato, destacou a importância de tomar as ruas como “resposta necessária aos atos criminosos, golpistas, que aconteceram em Brasília, mas que vêm acontecendo há muito tempo com a conivência de muitos grupos políticos aqui no Brasil na frente dos quartéis”. Para o dirigente, “um golpe de caráter fascista seria a pior coisa que poderia acontecer ao Brasil, frente a tantos ataques que os trabalhadores e trabalhadoras já vêm sofrendo em relação aos seus direitos”.

 

A diretora Luciana Carneiro acrescentou que “é fundamental uma categoria que faz parte de um dos três Poderes se posicionar em defesa da democracia de forma muito contundente”. Ela considerou inaceitável que trabalhadoras e trabalhadores do Judiciário defendam movimentos antidemocráticos e o retorno à ditadura político-empresarial-militar. “Não podemos retroceder; temos muitas críticas a muitas falhas da nossa democracia recente, mas precisamos trabalhar para que essas falhas sejam superadas”, disse.

 

Outro dirigente do Sintrajud presente à manifestação, Henrique Sales Costa, chamou a atenção para a união dos movimentos estudantil, social e sindical e dos entregadores antifascistas (trabalhadores entregadores de aplicativo), além de integrantes das quatro torcidas organizadas dos maiores times de futebol do estado (Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos), totalizando pelo menos 60 mil pessoas na Paulista.

 

“Sem anistia!” foi o grito uníssono que tomou conta da manifestação. Os manifestantes exigiram a responsabilização de maneira exemplar dos agitadores da tentativa de golpe, participantes, financiadores, e principalmente do ex-presidente Bolsonaro, por possíveis crimes cometidos durante seu mandato e por incitar ataques à democracia, questionando a lisura das urnas eletrônicas e a legitimidade das instituições republicanas. A escalada golpista dos últimos dias é considerada o resultado das ações do ex-presidente durante seu mandato e teria sido potencializada pela chamada “milícia digital”, a divulgação em massa de informações falsas com o objetivo de atentar contra a democracia.

O diretor do Sintrajud Antonio Melquíades (Melqui) e sua filha Lara, durante a manifestação na Avenida Paulista (foto: arquivo Sintrajud)

Baixada Santista e Largo de São Francisco

O servidor aposentado Wanderley Pedro de Oliveira no ato em Santos (foto: arquivo Sintrajud)

O servidor aposentado do TRT Wanderley Pedro de Oliveira participou da manifestação convocada pela Frente Sindical Classista na Estação da Cidadania, em Santos. Novo ato já foi convocado para as 18h da próxima sexta-feira (13) na Avenida Ana Costa. “O ato de segunda foi um esquenta. Teremos um coletivo amplo na sexta-feira. Anistia jamais!”, disse Wanderley. “Posso não ter o vigor físico dessa juventude, mas aqui estou com a força em minha mente e coração socialista”.

 

Os diretores Henrique Sales Costa e Antonio Melquíades também representaram o Sindicato no ato realizado na Faculdade de Direito da USP, no Largo de São Francisco. “Foi emocionante, com falas de representantes ligados ao espaço acadêmico, às centrais sindicais e à OAB, com um posicionamento bem importante, Ministério Público e forças de segurança do estado de São Paulo, em defesa do mote ‘sem anistia'”, descreveu.

Responsabilização dos golpistas

Fabiano dos Santos, diretor do Sintrajud, na manifestação da Avenida Paulista (foto: Jesus Carlos)

Para o diretor Fabiano dos Santos, o tom geral do ato foi de condenação das ações dos golpistas de extrema-direita, com a responsabilização dos envolvidos.

 

“De grande destaque podemos citar o governador [do Distrito Federal] Ibaneis [Rocha], mas também o secretário de Segurança Anderson Torres, ex-ministro do Bolsonaro. Não podemos ir para uma linha de relativização do que aconteceu, é preciso ter uma responsabilização severa de todo mundo que tenha responsabilidade direta e indireta, daqueles que financiaram esse ato”, afirmou. “Nossa mobilização é muito importante nesse processo.”

 

Clique aqui e veja mais fotos na galeria.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM