Diretora do Foro afirma que TRF-3 quer realizar concurso ainda neste ano

O TRF-3 pretende realizar concurso público ainda em 2018 e tenta reservar de R$ 6 milhões a R$ 8 milhões do orçamento para essa finalidade. A revelação foi feita pela diretora do Foro, juíza Luciana Zanoni, em reunião com diretores do Sintrajud (foto) na segunda-feira, 23. Foi a primeira reunião entre a diretora e dirigentes […]

O TRF-3 pretende realizar concurso público ainda em 2018 e tenta reservar de R$ 6 milhões a R$ 8 milhões do orçamento para essa finalidade. A revelação foi feita pela diretora do Foro, juíza Luciana Zanoni, em reunião com diretores do Sintrajud (foto) na segunda-feira, 23. Foi a primeira reunião entre a diretora e dirigentes do Sindicato desde que ela assumiu o cargo, em fevereiro.

“Há toda uma estratégia que tem como prioridade a realização do concurso”, declarou a juíza, ao ser questionada pelos diretores do Sindicato sobre a previsão de contratação de servidores. Assim como os demais ramos do Judiciário Federal, a JF enfrenta um déficit no quadro de pessoal.

O problema se agravou com o aumento do número de aposentadorias, provocado pelas preocupações dos servidores com a reforma da Previdência e com os efeitos da Emenda Constitucional 95/2016, que congelou os orçamentos dos órgãos públicos por 20 anos.

“Ainda que façamos economia em outras rubricas [de gasto], não podemos nomear servidores, salvo nos casos autorizados”, lembrou a juíza, mencionando as limitações impostas pela EC 95. “Ficamos de mãos amarradas e, assim como servidores, faltam juízes”, afirmou Luciana.

Ela explicou ainda que o Tribunal pretende ter o concurso homologado para fazer nomeações logo que elas forem autorizadas. Seguindo esse mesmo raciocínio, o TRF-3 tem convocado os candidatos aprovados no último concurso, de 2016, para a realização de exames médicos.

Os diretores do Sintrajud levaram à diretora do Foro a preocupação dos candidatos aprovados neste concurso e ainda não nomeados, mesmo tendo sido convocados para os exames. A convocação alcança até quem assinou termo de desistência da vaga.

Segundo Luciana, a ideia é que os aprovados estejam prontos para assumir os cargos assim que forem liberadas as nomeações.

Remoções e aposentadorias

Entre outros assuntos, a reunião tratou também dos pedidos de remoção e de aposentadoria. O Sindicato voltou a cobrar o atendimento a esses pedidos, tendo em vista que muitos servidores não estão conseguindo se transferir do seu local de trabalho mesmo depois de formalizar a solicitação.

No caso das aposentadorias, há pedidos que demoram meses para serem processados, conforme reclamação apresentada pelo Sintrajud em outras reuniões com a Diretoria do Foro e a presidência do TRF-3. A diretora do Sindicato Maria Ires Lacerda, servidora do JEF, apontou que a demora está ocorrendo na fase de análise dos pedidos, para a verificação de cumprimento dos requisitos.

A juíza solicitou que o Sindicato apresente os casos específicos de pedidos de remoção e de aposentadoria que aguardam resposta há mais tempo do que seria razoável. “Até o início de junho, serão analisados todos os pedidos de aposentadoria já protocolados”, garantiu.

Fechar Menu

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas