CSP Conlutas Sintrajud Fenajufe
SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO
19/mar/2018

Coletivo de mulheres do Sintrajud prepara seminário de formação

Servidoras discutiram na reunião que aconteceu no sábado, 17, um calendário de atividades para os próximos meses.

Shuellen Peixoto

O Coletivo de mulheres do Sintrajud organizará um seminário sobre a “origem das opressões” para o conjunto da categoria. O objetivo é avançar no combate ao machismo e ao racismo, e no fortalecimento da luta das mulheres no Judiciário Federal de São Paulo. Este foi um dos encaminhamentos da reunião do coletivo que aconteceu na tarde do último sábado, 17, no auditório do Sindicato.

O seminário está previsto para acontecer no dia 9 junho com a presença de palestrantes especialistas no tema, para ajudar a desenvolver o debate.

E na tarde do mesmo dia acontecerá a próxima reunião do Coletivo, a partir das 14 horas.

Em Julho, para marcar o Dia da Mulher Negra  Latino-americana e Caribenha, 25, o coletivo organizará a corrida das mulheres. O evento está programado para acontecer no domingo, 29 de julho, como uma edição especial do Clube de Corrida do Sindicato.

Combate ao assédio sexual

As servidoras também debateram a continuidade da campanha contra o assédio sexual. Nas primeiras semanas de março, as mulheres do coletivo passaram em alguns locais de trabalho para distribuir a cartilha contra o assédio sexual no judiciário e conversar com os colegas. O material também está sendo encaminhado aos fóruns e cartórios por Correio.

“É importante darmos exemplos para que todos entendam o que é assédio sexual, que não precisa tocar para assediar, e para que as colegas sintam-se tranquilas de nos procurar para resolver”, afirmou Inês Leal, diretora do Sintrajud e servidora do TRT.

Sobre o coletivo

Criado durante o 1º Encontro de Mulheres do Sintrajud, realizado em 28 de outubro do ano passado, o Coletivo reúne-se a cada dois meses para discutir as questões específicas das mulheres, principalmente das que trabalham ou são aposentadas no Judiciário Federal em São Paulo.

As reuniões do Coletivo são abertas a todas as mulheres da categoria e terceirizadas.

Compartilhar: