Servidores do Judiciário em SP engrossam “panelaços” contra o governo Bolsonaro

Vários servidores compartilharam com o Sindicato sua participação nos recentes “panelaços” que vêm ocorrendo recorrentemente quando dos pronunciamentos do presidente da República, Jair Bolsonaro, durante o período de isolamento social imposto com a pandemia do coronavírus. A inação do governo no início do período de enfrentamento ao que já vem sendo considerado por especialistas como a maior crise sanitária mundial desde a peste (pandemia ocorrida no século XIV que levou à morte 200 milhões de pessoas) e depois a postura negacionista e debochada do chefe do Poder Executivo têm ampliado a indignação até mesmo entre brasileiros que votaram no atual governante.

Entre os servidores públicos a irritação é maior devido aos impactos da ‘reforma’ da Previdência imposta no ano passado, cujos efeitos começaram a ser sentidos neste mês, com o aumento da contribuição previdenciária (veja aqui o informe das ações movidas pelo Sintrajud contra o confisco previdenciário).

As propostas de congelamento e até redução salarial em até 25% contidas no Plano ‘Mais Brasil’, encaminhado ao Senado em novembro do ano passado, e as ameaças de fim da estabilidade e extinção de carreiras com a ‘reforma’ administrativa prevista para começar a tramitar ao final da pandemia também têm levado o funcionalismo à oposição ao governo.

A “cereja do bolo” que tem estimulado a participação dos servidores nos “panelaços” é a campanha governamental e midiática em curso de que o investimento no combate à disseminação do coronavírus exigiria a redução salarial para o funcionalismo.

“Nem os jogadores de futebol da série A do Campeonato Brasileiro, com salários e direitos de imagem médios em torno de 200 mil reais, e de até R$ 1 milhão, aceitaram redução salarial. Por que os servidores, que já estão sendo há anos alvo de achatamento salarial, perseguição, assédio etc vão mais uma vez pagar a conta?”, escreveu ao Sindicato um servidor da categoria cuja identidade preservamos. “Não tenho partido político, mas esses caras são criminosos. Vendem o produto mais fácil de vender: a conversa fiada”, indigna-se.

Estudo realizado pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) aponta que tributar altas rendas possibilitaria à União arrecadar mais de R$ 272 bilhões para combater a crise econômica potencializada pela pandemia. Mas o governo prefere, em aliança com as grandes bancadas do Congresso Nacional, atacar mais uma vez o funcionalismo.

A diretoria Sindicato repudia esses ataques, tem incentivado a participação nos “panelaços” e formulou a compreensão de que chegou ao limite a possibilidade de seguimento de Jair Bolsonaro no poder. A partir desta semana o Sintrajud perfilou-se num movimento que vem crescendo desde o período da ‘reforma’ previdenciária: o #ForaBolsonaro (leia aqui a nota da direção).

A diretoria ressalta a necessidade da mobilização, ainda que virtual nesse período de quarentena, para impedir que os projetos de redução salarial do funcionalismo avancem no Congresso Nacional. Por isso a direção do Sintrajud convida toda a categoria a enviar a carta aos parlamentares apontado medidas para enfrentar a pandemia sem cortar ou reduzir salários (clique aqui para enviar a sua).

Confira abaixo fotos e vídeos recebidos pelo Sindicato após os últimos panelaços:

Gilberto Clementino, JF/Araçatuba

Scheilla Brevidelli, servidora do TRT-2

Ismael Souza, servidor do TRT-2

Enviado por Marcus Vergne, diretor do Sintrajud e servidor do TRT: panelaço dia 24, nos Campos Elíseos.
Enviado por Adilson Rodrigues, servidor da JF/Santos, no bairro Aparecida, em Santos, dia 24.

 

Wanderley Pedro, aposentado do TRT, na Praia Grande (Baixada Santista), dia 24.

 

 

 

 

Luciana BS, servidora da Justiça Federal, no bairro da Bela Vista, região central da capital, dia 24.

 

 

 

image_print