Trabalhadores ocupam ruas e fazem manifestações em todo o país

Foto: Kit Gaion

O 30 de junho, dia de greve geral, começou com protestos, trancamentos de vias e categorias paradas. Em todo o país já são várias categorias em mobilização, como metalúrgicos, químicos, rodoviários, trabalhadores dos Correios, professores, servidores públicos e petroleiros, entre outros. A greve geral é mais um dia de luta unificado contra as reformas da Previdência e trabalhista e para colocar para fora o governo Michel Temer (PMDB) e todos os corruptos do Congresso.

No final da manhã desta sexta-feira, as centrais sindicais reuniram centenas de trabalhadores na frente da Superintendência Regional do Trabalho de São Paulo, em um protesto contra as reformas do Governo Temer. Além de servidores do Judiciário Federal, a manifestação reuniu vigilantes, condutores, aeroviários, metroviários, trabalhadores dos correios, comerciários, bancários, servidores públicos estaduais e servidores do INSS, entre outros.

Foto: Kit Gaion

Luiz Carlos Prates, o “Mancha”, da CSP-Conlutas, falou sobre as manifestações que acontecem em todo o país nesta sexta-feira, com paralisações, greves e bloqueios de estrada de norte a sul, na luta contra a retirada de direitos. “Este governo atolado em corrupção quer impor um retrocesso histórico nos nossos direitos, mas, se pensou que ia encontrar moleza, está vendo que não vai”, destacou. “Fizemos muita luta e paramos o país nos dias 15 e 30 de março, no dia 28 de abril, e ocupamos Brasília no dia 24 de maio, e hoje estamos fazendo mais uma greve geral, demonstrando a disposição de luta dos trabalhadores e mostrando que não vamos aceitar nenhuma negociação e nem retirada de direitos”, afirmou Mancha.  “Chega deste governo, fora Temer e todos os corruptos!”, defendeu.

Além da manifestação das centrais, São Paulo teve também ruas fechadas e protestos nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos no inicio da manhã.  Cerca de 150 manifestantes moradores da Ocupação do Jardim União, organizados pelo movimento Luta Popular, tomam duas faixas da Avenida Nações Unidas, na zona sul. Manifestantes seguiram em passeata até a empresa metalúrgica Taiff. Metalúrgicos e movimento popular se unificarão e seguirão em passeata até a Ponte do Socorro. O Comitê Popular do Cocaia e Capão Redondo também vai se somar à mobilização.

O movimento popular também fechou o acesso para Alphaville e Barueri, em Carapicuíba (SP). Houve também travamento da Rodovia Régis Bitencourt em Taboão da Serra (SP), que parou todo o trânsito na região.

No Vale do Paraíba, trabalhadores químicos da Monsanto e da Basf, respectivamente em São José dos Campos e Jacareí, além de metalúrgicos de São José dos Campos também estão parados desde as primeiras horas deste dia 30.

Ato contra as reformas na Avenida Paulista

Ainda hoje, acontece a grande manifestação na Avenida Paulista contra as Reformas da Previdência e Trabalhista. A concentração dos servidores do Judiciário será a partir das 14h, em frente ao Fórum Pedro Lessa. Participe!

image_print