Sintrajud percorre principais fóruns da JT para debater propostas de novo plano de saúde

O Sintrajud está percorrendo os maiores fóruns trabalhista do estado de São Paulo para conversar com os servidores sobre as propostas apresentadas pela Administração de formato de um novo plano de saúde para servidores e magistrados do TRT-2. O contrato com a operadora NotreDame termina em maio de 2018, por isso, a Administração está debatendo os parâmetros para um novo plano.

Ao longo da semana, o Sindicato está passando no TRT/Consolação, fóruns da Zona Sul, Zona Leste, Guarulhos, Osasco, São Bernardo do Campo e Santos. O objetivo é ouvir as opiniões, indagações e sugestões da categoria sobre o tema.

Na última sexta-feira, 29, os servidores do Fórum Trabalhista Ruy Barbosa participaram do Café da Manhã com o Sindicato, que teve como uma das pautas as propostas da Administração para o novo plano de saúde.

Durante a atividade, as propostas da Administração foram apresentadas e discutidas com os servidores. “Segundo a administração, o objetivo das propostas de mudança é reduzir os preços e a sinistralidade em um novo contrato, e atrair mais empresas no processo de licitação”, afirmou o servidor Tarcísio Ferreira, diretor do Sintrajud.

Entre as possibilidades indicadas pela comissão gestora estão a supressão do plano superior, usado por uma proporção reduzida de pessoas, ficando mantidos os demais (básico e intermediário), nos padrões atuais de redes credenciadas; utilização do rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS (atualmente é utilizado o rol da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos- CBHPM); e implementação de coparticipação no plano. Também foram feitas observações sobre a situação dos chamados agregados, beneficiários que não estariam nas condições de titulares e dependentes.

Os servidores destacaram a preocupação com o alto custo do plano de saúde e a redução na participação do Tribunal no pagamento. “Estivemos em Brasília na última semana, em reuniões nos Conselhos Superiores e apresentamos estudos que comprovam que há sobra orçamentária, portanto, é necessário que a Administração aumente o orçamento da Saúde para que a parcela do Tribunal no custeio seja maior”, destacou Tarcísio.

A proposta de plano com coparticipação também foi com muita preocupação pelos servidores. “A coparticipação não é garantia de redução no custo do plano de saúde, pode significar um maior gasto no momento em que o servidor mais precise, por exemplo”, afirmou Fabiano dos Santos, diretor do Sintrajud e servidor do TRT.

Veja matéria sobre a participação do Sindicato nas reuniões com a Comissão Gestora, onde foram apresentadas  as propostas para o novo plano de saúde aqui.

image_print