Sintrajud participa de atos em defesa do serviço público em São Paulo e Santos

Manifestação no centro de São Paulo

Servidores públicos realizaram manifestações em defesa do serviço público e contra a militarização do INSS nesta sexta-feira, 14 de fevereiro, em diversos estados. A data, convocada pelas centrais sindicais, é parte do calendário de luta contra o Plano ‘Mais Brasil’ (PECs 186, 187 e 188) e a ‘reforma’ administrativa, que ainda não está em tramitação, mas prevê o fim da estabilidade para o funcionalismo público, a extinção de carreiras e redução dos salários iniciais.

Em São Paulo, o ato teve início às 9 horas, em frente à agencia do INSS na rua Coronel Xavier Toledo, e os manifestantes saíram em passeata pelo centro da capital até a Gerência Estadual do órgão, no Viaduto Santa Efigênia. A manifestação teve a presença de diversos sindicatos, trabalhadores da ativa e aposentados indignados com os ataques do governo aos direitos e as recentes declarações do ministro da economia Paulo Guedes (leia aqui).

“Ato de hoje deu continuidade aos protestos contra o esvaziamento e militarização do INSS, mas também assumiu um caráter mais geral em defesa do serviço público, diante da iminente apresentação da reforma administrativas e das declarações do Paulo Guedes, que tem revoltado o conjunto do funcionalismo público”, afirmou Tarcisio Ferreira, diretor do Sintrajud e servidor do TRT que esteve presente na manifestação.

Os manifestantes também prestaram solidariedade às categorias em luta e greve, como os petroleiros. “Atos como o que aconteceu hoje são parte do desafio de construir uma forte greve no dia 18 de março, em unidade com todos os setores do funcionalismo público e do setor privado para impedir os ataques do governo Bolsonaro aos direitos”, destacou o dirigente.

Santos

Ato na Baixada Santista

Na Baixada Santista, a manifestação aconteceu em frente à Agência Santos (localizada na Avenida Epitácio Pessoa), e também teve a participação de trabalhadores de diversas categorias.

Na opinião da servidora aposentada do TRT Lynira Sardinha, diretora do Sintrajud, é importante o conjunto dos trabalhadores estarem mobilizados para combater o propósito dos governos, que é o desmonte total do Estado. “Os direitos dos trabalhadores estão sendo atacados, isso fica claríssimo com a EC 95 , vulgo Emenda Constitucional do Teto, passando pela reforma da Previdência, as ‘reformas’ administrativas, a venda das estatais mais eficientes e rentáveis, a destruição da educação pública e da ciência e a militarização do Palácio do Planalto”, destacou a servidora.

“Serviços e trabalhos precarizados é o que esse Governo vai deixar de herança. E barrar estas destruições, que atingem também diretamente os servidores do Judiciário, é nossa tarefa, por isso as greves e atos em cursos precisam receber nosso apoio e solidariedade”, finalizou Lynira.

image_print