Sintrajud conversa com magistrados das varas do Fórum de Barueri

Diretores do Sintrajud procuraram os magistrados de todas as varas do Fórum Trabalhista de Barueri para conversar sobre a proposta dos servidores, aprovada em assembleia, de redução de jornada enquanto o problema do sistema de ar condicionado do prédio não é resolvido. Servidores, magistrados, advogados e usuários sofrem com as altas temperaturas do edifício, que […]

Foto: Gero Rodrigues

Diretores do Sintrajud procuraram os magistrados de todas as varas do Fórum Trabalhista de Barueri para conversar sobre a proposta dos servidores, aprovada em assembleia, de redução de jornada enquanto o problema do sistema de ar condicionado do prédio não é resolvido. Servidores, magistrados, advogados e usuários sofrem com as altas temperaturas do edifício, que apresenta problemas no sistema de ar condicionado desde a sua inauguração, em 2016.

Nesta segunda-feira, 11 de março, os servidores discutiram os resultados da última reunião com a presidente do TRT-2, desembargadora Rilma Aparecida Hemetério, no dia 27 de fevereiro, mesmo dia em que os servidores paralisaram as atividades do Fórum por 24 horas. A presidente rejeitou a proposta dos servidores de reduzir a jornada de trabalho para cinco horas diárias, das 8h às 13h (evitando o período da tarde, que é mais quente), mas propôs que os servidores buscassem diálogo com o Corregedor Geral, desembargador Luiz Antonio Moreira Vidigal, e com os juízes responsáveis pelas varas do Fórum, com objetivo de construir uma solução consensual entre eles.

Após a reunião, a desembargadora enviou comunicado a todas as varas do Fórum orientando que, nos dias de altas temperaturas e que fosse verificada a impossibilidade de seguir com as atividades, os magistrados poderiam pedir a suspensão do expediente.

Esta solução, no entanto, não foi considerada viável pelos servidores. “É uma orientação subjetiva e que gera mais ônus e transtornos, imagina que as partes compareceram ao Fórum e não teve audiência, por exemplo, para nós não resolve”, afirmou Camila Pereira, servidora do Fórum. “Queremos uma solução que garanta nossas condições de trabalho e que seja uma regra geral, para todas as varas”, completou a servidora.

Reunião entre juízes e Corregedoria

A diretoria do Sintrajud se reuniu com o Corregedor Geral do TRT-2 na quinta-feira, 7 de março, levando a proposta dos servidores. O desembargador Vidigal convocou os juízes das varas de Barueri para uma reunião nesta terça-feira, 12 de março, com o objetivo de formalizar uma solução para a questão enquanto durarem as obras e o problema não for resolvido definitivamente.

“Nós buscamos cada juiz das varas de Barueri para conversar antes da reunião, acreditamos que este problema atinge a todos, é uma situação excepcional que afeta a saúde de todos que utilizam este prédio, é preciso criar uma regra objetiva que garanta o minimo de condições de trabalho enquanto as obras não terminam”, afirmou o diretor do Sindicato Gilberto Terra, servidor do JF/Fórum Previdenciário. Apenas o juiz titular da 3a vara não conversou com os diretores, informando que não poderia interromper as audiências.

O Sintrajud seguirá acompanhando as reuniões e buscando uma solução que garanta condições de trabalho e a saúde dos servidores. Na quarta-feira, 20 de março, acontece uma nova assembleia setorial para discutir os próximos passos da mobilização da categoria.

 

*Matéria atualizada às 18h49, no dia 13 de março

Fechar Menu

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas