Servidora da JT lança e-book de ensaios poéticos

Título é o terceiro de Scheilla Brevidelli, atualmente lotada no Arquivo do TRT-2.

Técnica Judiciária, psicóloga, nadadora, cosmopolita, poetisa e escritora ativa. Estas são algumas faces de Scheilla Brevidelli, que acaba de lançar pela Amazon o e-book Seu escrito era uma voz, coletânea independente de ensaios poéticos autorais (R$ 10,00 no formato Kindle).

A servidora ingressou no Tribunal Regional do Trabalho em 1991 e é sindicalizada desde dezembro de 1992, ainda no antigo Sintrajus – que organizava os trabalhadores deste ramo do Judiciário antes da unificação que deu origem ao Sintrajud, ocorrida em 1995.

Scheilla também é coautora em outras duas coletâneas de poesias: Flores que voam, lançado no ano passado pela Desconcertos Editora, e Hilstianas Vol. 1, uma parceria do Instituto Casa do Sol com a editora Patuá.

Este último projeto, além da perspectiva de divulgação do trabalho de artistas diversas, contribuiu para a manutenção da Casa do Sol em Campinas, onde Hilda viveu seus últimos anos e que hoje é um centro cultural que recebe visitas agendadas. “Hilst é conhecida por ser uma poeta obscena. Nas palavras dela, os críticos a adoravam, mas ela não vendia livros. Então decidiu escrever de forma obscena, mas creio que ela falava do desejo de forma despudorada”, contou à reportagem do Sintrajud.

Os dois poemas de autoria de Scheilla publicados no Hilstianas foram lidos na 8ª Mostra de Artes do sindicato, em outubro do ano passado. “Um deles fala da masculinidade que há em toda mulher, porque todos somos ambivalentes. O outro fala do desejo e fantasia de uma mulher, que ninguém saiba que sou eu”, contou aos risos. “É importante conhecer e divulgar esta escritora brasileira de renome”, ressalta.

A servidora também colaborou com artigos em várias edições do ‘Espalha Fatos’, publicação do Sintrajus, e do ‘Jornal do Judiciário’, já no Sintrajud.

Intercambiando arte

Scheilla no sarau do TRF (reprodução).

Scheilla também abriu do Festival de Talentos do TRT em 2019 e participou pela primeira vez, em março deste ano, do 31º Sarau do Pró-Social, no TRF-3, junto com a colega da Escola de Magistratura Claudia Cortez Dias. As duas declamaram juntas os poemas autorais de Scheilla publicados no livro Linguagem do coração, “que fala sobre a criação da música” e Elo perdido, “que fala sobre a importância da música como fator de desconexão com o mundo externo e reconexao com seu mundo interno”, explica.

“Participar do sarau foi extremamente gratificante, pois todo artista quer ser ouvido. Era uma platéia desconhecida, mas muito calorosa. Todas as participações foram através da música e eu declamei ao final dois poemas falando sobre música”, relata.

Scheilla que pretende “lutar por uma regulamentação de um sarau com datas fixas no TRT, com abertura de espaço para nossos colegas do TRF3 e do TRE para unirmos as justiças com a arte”. Estamos muito atrasados no TRT. O espaço para arte dentro da instituição é muito importante como mensagem de acolhimento de nosso lado humano, artístico e sensível, e não apenas técnico. Essa é numa pauta fundamental para nossa categoria”, afirma.

Em 2013 ela já havia impulsionado o Varau de Poesias, também realizado no átrio do Fórum Trabalhista Ruy Barbosa.

Atleta

Não é só na arte que Scheilla é polivalente. Aos 56 anos, a servidora pratica musculação natação. E foi recordista nos 50 metros livre de 55 a 59 anos, em 2018, nas piscinas dos Jogos Olímpicos da Justiça do Trabalho. A servidora participa das Olimpíadas da Justiça Trabalhista, onde servidores disputam representando seus regionais, desde 2015, quando o evento aconteceu em Goiânia.

*Atualizado em 24/06/2020, às 22h19, para correção do valor do livro na Amazon.