Mobilizações de 23/1 a 1º/2 defendem serviços públicos e vacina já para todos

Entidades de servidoras e servidores públicos preparam retomada nacional das mobilizações em 2021 contra a 'reforma' administrativa e as privatizações que o presidente Jair Bolsonaro tenta impor; campanha nas ruas e redes sociais exige vacinas contra a covid-19.

Sindicatos, centrais sindicais, movimentos sociais e entidades representativas de trabalhadoras e trabalhadores do setor público preparam a retomada da mobilização contra os ataques a direitos promovidos pelo governo de Jair Bolsonaro: especialmente a ‘reforma’ administrativa e o boicote institucional à garantia de imunização de todos os brasileiros contra o novo coronavírus via rede pública de saúde. O calendário de lutas terá início neste sábado (23 de janeiro), com carreatas em todas as capitais, e vai até 1º de fevereiro — Dia Nacional de Luta pela vacina para todos, contra a ‘reforma’ administrativa e as privatizações.

Em São Paulo, a carreata deste sábado terá início às 14 horas (concentração em frente à Assembleia Legislativa do Estado, na Avenida Pedro Álvares Cabral, 201, no Ibirapuera).

As entidades querem recolocar em marcha a campanha contra os projetos do governo que atacam o funcionalismo, entre eles os que preveem a redução de salários e jornadas de trabalho em 25% (propostas de emendas constitucionais 186/2020 e 188/2020). A mobilização também abraça a luta pela vacinação – cuja viabilidade só é possível de ser cogitada para este ano graças a servidores e servidoras de duas grandes instituições públicas de pesquisa no Brasil, o Butantan e a Fiocruz, e a outros milhares que trabalham nas três esferas federativas da saúde pública.

O movimento é organizado nacionalmente pelo Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais) em conjunto com fóruns estaduais do funcionalismo, que agregam o setor nos âmbitos municipal e estadual. A CSP-Conlutas, central sindical à qual o Sintrajud é filiado, a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), assim como o Sintrajud e a Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e MPU (Fenajufe), participam.

A diretoria do Sindicato convida a categoria a ajudar a divulgar e fortalecer as atividades remotas e as presenciais, que vão seguir as normas de segurança sanitária.

Mobilização no Congresso Nacional

Em 1º de fevereiro também haverá carreatas nos estados e um ato simbólico em Brasília, quando será entregue um manifesto aos candidatos às presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. O documento levará aos parlamentares as principais pautas da categoria, entre elas a rejeição da ‘reforma’ administrativa – incluindo todos os projetos e emendas constitucionais que atacam os serviços públicos e os servidores.

Entre as entidades sindicais há consenso na avaliação de que, sejam quem forem os eleitos para presidir a Câmara e o Senado, a tendência é que as duas casas legislativas e o governo federal tentem pôr em pauta os projetos que atacam o setor público e o funcionalismo.

Aposentados ativos na luta e Fórum Social

O próximo domingo (24) deverá ser marcado por referências ao Dia dos Aposentados, prejudicados também pelas propostas de ‘reforma’ administrativa que, se aprovadas, vão impactar os cofres da Previdência e ameaçam descapitalizar o Estado brasileiro para garantir as aposentadorias ao quebrar o regime de solidariedade geracional.

Em 26 de janeiro, a partir das 10 horas, o Fonasefe realizará uma atividade no Fórum Social Mundial, na qual a luta pela vacina e em defesa dos serviços públicos estará pautada. O evento ocorrerá de forma virtual.

O servidor Fabiano dos Santos, diretor do Sintrajud e coordenador da Fenajufe, tem participado das reuniões organizativas do Fonasefe. Ele avalia que a movimentação para retomada dessa luta em 2021 vem alcançando uma razoável articulação nacional. O dirigente sindical alerta para a necessidade de os servidores se defenderem dos previsíveis ataques à categoria em 2021. “Este é o ano em que eles tendem a tentar tocar todas essas pautas impopulares, é o ano sem eleições”, observa.

Fabiano diz que a participação dos fóruns estaduais do funcionalismo tem sido importante para a construção de algo que tenha visibilidade e força. “A gente percebe que está tendo uma mobilização, mas sabemos que os desafios são muito grandes e exigem a participação de todos”, avalia, assinalando ainda a importância de que as centrais sindicais também assumam efetivamente essa luta em defesa dos serviços públicos, dos servidores e da própria vida.

Calendário de Mobilização – definido na reunião ampliada do Fonasefe com os fóruns estaduais

23 de janeiro (sábado) – carreatas em diversos estados, em defesa dos serviços públicos, por vacina para todos e investimentos no SUS, continuidade do pagamento do auxílio emergencial, emprego e pelo impeachment de Jair Bolsonaro. Concentração às 14 horas, em frente à Alesp (Av. Sargento Mário Kozel Filho).

24 de janeiro (domingo) – Homenagens nas redes aos Dia Nacional dos Aposentados e início da divulgação do áudio para rádio, rede sociais e carros de som convocando as atividades da semana nacional de lutas e do dia 01/02.

26 de janeiro (terça) – Atividade do Fonasefe no Fórum Social Mundial, às 10h, com transmissão pelas mídias digitais do Sintrajud.

30 e 31 de janeiro (sábado e domingo) – Divulgação de áudios em defesa da vacina e dos serviços públicos nas cidades, em carros de som que vão circular por bairros;

1º de fevereiro (terça) – Dia Nacional de Luta pela vacina para todos, contra a ‘reforma’ administrativa e as privatizações. Às 10h, carreatas nas cidades (algumas cidades já preparavam as suas carreatas para o dia 31/01, o que deve ser mantido e incorporado à semana de luta).

  • 14h – Ato em Brasília, na porta do Anexo 2 da Câmara dos Deputados, com protocolo do manifesto aos candidatos à presidência do Legislativo e início da vigília nacional em defesa dos direitos.
  • 20h – Panelaço nacional.

Colaborou: Luciana Araujo