Live com servidores debate a presença de LGBTs nos espaços de poder


14/07/2021 - Shuellen Peixoto
Atividade é parte dos debates do Dia do Orgulho LGBTQIA+; colegas conversaram sobre sua vivência e desafios enfrentados nos locais de trabalho e a luta por igualdade de direitos.

A luta por representatividade, o combate à opressão e a ocupação dos nos espaços de poder e trabalho pelas pessoas LGBTs  foram os temas discutidos na live do Sintrajud que aconteceu na última segunda-feira, 12 de julho, com transmissão no YouTubeFacebook. A transmissão teve a presença dos servidores Mariana Galluzzi e Rodrigo de Faria Colombaro, da JF, e de Fabiano dos Santos, diretor do Sindicato.

Os servidores conversaram sobre o cotidiano das pessoas LGBTQIA+ no Judiciário Federal e na sociedade, além da luta por igualdade de direitos e equidade de condições sociais. Mariana Galluzzi, que é integrante da Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Sexual e Discriminação da Justiça Federal, lésbica, casada com Valéria, e mãe da Júlia e dos gêmeos Nina e Jorge, contou sua experiência diante dos colegas de trabalho desde a entrada no Judiciário .

“Sair do armário no trabalho é uma decisão que nós, gays e lésbicas, precisamos tomar nos espaços; eu tinha no meu ambiente de trabalho colegas que faziam piadas homofóbicas constantemente e isso me trazia um desconforto grande, não era algo direcionado a mim, os colegas nem sonhavam que eu era lésbica, mas aqueles comentários me incomodavam. Quando eu me assumi no trabalho, as piadinhas e comentários pararam de ser feitos, pelo menos na minha frente”, disse Mariana.

“Acho que o debate que fazemos é uma forma de ir quebrando paradigmas, avançando, e as pessoas avançam também e passam a entender que somos detentores dos mesmos direitos, a minha família é até mais normal do que vocês podem pensar que seja”, destacou a servidora.

A presença do grupo LGBT nos espaços de poder também foi parte do debate durante a live. Os servidores lembraram o caso recente do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), que falou sobre sua sexualidade no programa Conversa com Bial, exibido no dia 2 de julho.

Para Fabiano dos Santos, diretor do Sindicato, a postura do governador é importante, principalmente do ponto de vista do direito de as pessoas LGBTs viverem sua vida em plenitude, mas não avança nas lutas necessárias de combate à opressão na prática.

“A postura do Eduardo Leite envolve coragem e tem importância, mas não é por si só um avanço na luta LGBTQIA+; é sempre importante lembrar que ele apoiou Jair Bolsonaro, hoje presidente do país que faz ataques homofóbicos sem qualquer receio, e só não o apoia atualmente por conveniência política”, destacou Fabiano.

O servidor Rodrigo de Faria Colombaro, ressaltou que a fala do governador do Rio Grande do Sul por si só não avança no combate a opressão, principalmente em um sistema social que tem a opressão como base, para aumentar a exploração do trabalho e o lucro.

“Não basta ser LGBTQIA+, é preciso compreender as opressões e combatê-las para avançar, entender inclusive que o sistema econômico que vivemos foi construído pautado em opressões; no sistema de pirâmide social existente os setores oprimidos são usados na base para manter os que estão no topo”, afirmou Rodrigo.

Orgulho LGBTQIA+

live, organizada pela diretoria do Sindicato, é parte das atividades que marcam o Mês Internacional do Orgulho LGBTQIA+ e dão continuidade aos debates iniciados na transmissão online que aconteceu no dia 28 de junho, sobre mulheres e diversidade (veja aqui).

Ainda durante a live o diretor Fabiano dos Santos relembrou que o combate a todas as formas de opressão e a defesa do direito das pessoas LGBTs é parte das lutas tocadas pelo Sintrajud ao longo de sua história.

O Sindicato atuou na defesa de questões que, atualmente são direitos consolidados no Judiciário Federal de São Paulo, como o direito das pessoas trans de usarem o nome social no documento funcional, o reconhecimento dos cônjuges e o direito à licença maternidade em caso de adotantes. “A luta em defesa dos LGBTs é uma luta de todos nós, somos parte da categoria e o Sintrajud continuará na defesa da plenitude dos seus direitos, inclusive no ambiente de trabalho”, finalizou Fabiano.

A integra do debate está disponível no Facebook e o YouTube do Sindicato.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas