Guedes deve ser questionado hoje na Comissão da PEC 32 por querer servidores ‘fáceis de demitir’


07/07/2021 - Helcio Duarte Filho
Sintrajud transmitirá na página no Facebook, nesta quarta (7), a audiência com o ministro da Economia na comissão especial da 'reforma' administrativa.

Principal autor e defensor dos projetos de ‘reforma’ dos serviços públicos e das privatizações articuladas pelo governo de Jair Bolsonaro, o ministro Paulo Guedes terá que explicar na Câmara dos Deputados, nesta tarde, por que o governo quer servidores de confiança e fáceis de serem demitidos. A partir das 14h30 o ministro falará à Comissão Especial que analisa a Proposta de Emenda Constitucional 32/2020. A TV Câmara transmite ao vivo em seu canal no Youtube e o Sintrajud retransmitirá a sessão por sua página no Facebook.

A ida de Guedes à Câmara ocorre num momento em que o governo Bolsonaro se vê abalado por uma série de denúncias que provavelmente não ocorreriam se os servidores públicos não tivessem assegurada a estabilidade no emprego – comércio ilegal de madeiras, indícios de lavagem de dinheiro por parte do líder do governo, Ricardo Barros, possíveis propinas nas vacinas.

As denúncias expuseram o quanto servidores nestas condições podem ser obstáculos para possíveis esquemas de corrupção dentro dos órgãos públicos. Foi o caso das suspeitas levantadas por um servidor do Ministério da Saúde sobre as irregularidades na compra de vacinas indianas (Covaxin). Na mesma semana, o ministro da Secretaria de Governo, Onyx Lorenzoni, foi à TV atacar o servidor e declarar que ele seria alvo de um processo administrativo disciplinar.

Estabilidade

O PAD é um instrumento instalado para apurar, por meio de uma comissão de servidores, eventual responsabilidade por infração praticada no exercício de atribuições. Pode até levar o servidor à demissão, caso lhe seja atribuído algum erro grave ou ato criminoso, porém prevê direito à defesa e os devidos ritos administrativos.

Algo bem diferente, portanto, do que o governo quer aprovar com a ‘reforma’ administrativa. Se estivesse sob as regras da PEC 32, um servidor em situação similar poderia ser demitido sumariamente e sem direito à defesa, caso tivesse sido contratado posteriormente às mudanças. Mas mesmo que já fosse servidor concursado antes de a ‘reforma’ entrar em vigor, não estaria a salvo das novas regras, como propaga o ministro da Economia. Isto porque o seu ato contra a corrupção poderia ser pautado numa comissão que a PEC pretende criar e que analisará o desempenho funcional ao longo dos anos. Essas avaliações, caso negativas, podem levar à demissão.

Quem vai avaliar?

A controversa demissão por avaliação de desempenho foi aprovada na ‘reforma’ administrativa proposta pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, em 1998. Jamais foi regulamentada, o que se constituiu numa vitória da luta dos servidores em defesa da estabilidade e da não interferência indevida de políticos no trabalho desenvolvido em hospitais, universidades, tribunais, órgãos de segurança e demais serviços públicos.

A PEC 32, além de acabar integralmente com o direito à estabilidade da imensa maioria dos futuros servidores, também prevê a regulamentação dos critérios de avaliação de desempenho – alterando inclusive o mecanismo legislativo para isso, passando a poder ser definida por meio de projeto de lei ordinário e não mais lei complementar, que exige quórum qualificado para aprovação no Congresso Nacional.

O que o texto que Guedes defenderá na Câmara não diz é quem fará parte destas comissões e quais os critérios que irão nortear a análise do desempenho de quem trabalha nos serviços públicos.

Não se sabe quem fará parte, por exemplo, de uma eventual futura comissão que avaliará servidores como Luís Ricardo Miranda, o já mencionado chefe do departamento de importações do Ministério da Saúde que no dia 25 de junho foi à CPI da Covid dizer que havia algo errado no processo de compra de vacinas e que estava sendo pressionado a encaminhá-lo às pressas.

Porém, a própria ‘reforma’ dá pistas de que personagens ocuparão estes postos de avaliadores. Afinal, a proposta do governo é direta ao instituir mudanças que levarão à permissão para gestores contratarem, sem concurso, dezenas de milhares de pessoas para exercer cargos de chefia nas administrações públicas municipais, estaduais e federais – os chamados cargos de liderança, aos quais nada impede que a futura regulamentação da ‘reforma’ delegue a prerrogativa de avaliar os servidores.

Outra informação que não está no texto, mas foi verbalizada pelo principal ministro de Bolsonaro, é que um dos critérios da avaliação de desempenho sonhada pelo Planalto é o servidor demonstrar ‘ser de confiança’ e não ser um ‘vazador’. Sim, foram essas as palavras que Guedes usou numa live, poucos meses atrás, para explicar a regulamentação que o governo pretende fazer se conseguir aprovar a ‘reforma’. Algo, aliás, que os deputados poderiam pedir para que ele explique na sessão da comissão especial, diante de tantos episódios em que servidores, regidos pelo estatuto que a PEC tenta dissolver, foram a pedra no caminho de possíveis casos de corrupção dentro da gestão de Jair Bolsonaro.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas