Governo volta a priorizar MP 805, que reduz vencimentos dos servidores


27/02/2018 - Helio Batista Barboza

Depois de ter perdido o debate na opinião pública e não ter assegurado os 308 votos necessários para aprovar a reforma da Previdência neste mês de fevereiro, o governo volta suas atenções para alternativas que possam aplacar a pressão do mercado financeiro por medidas de ajuste fiscal. Agora o Planalto estuda fazer mudanças nas regras de aposentadoria sem mexer na Constituição.

Entre as opções anunciadas, a que afeta mais diretamente o funcionalismo é a aprovação da Medida Provisória 805, que aumenta de 11% para 14% a alíquota previdenciária dos servidores com salários acima de R$ 5.531,31, o teto do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Editada pelo presidente Michel Temer (PMDB) em outubro do ano passado, a MP também adia reajustes salariais já aprovados para várias carreiras do Executivo.

O aumento da alíquota previdenciária reduziria os vencimentos dos servidores federais já a partir deste mês de fevereiro. Isso só não aconteceu porque a MP foi suspensa por uma liminar concedida em dezembro pelo ministro Ricardo Lewandowski, do STF. O governo, porém, trabalha para derrubar a liminar no plenário do Supremo e depois aprovar a MP no Congresso.

 “A idade mínima, só com reforma constitucional, mas aumento da alíquota de contribuição do servidor pode passar por lei complementar; é um dos itens que precisa ser discutido”, declarou ao portal R7 o vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP, foto à esq.). “O governo mandou por meio de Medida Provisória, foi discutido no Supremo porque alíquotas estavam sendo progressivas; temos que achar alternativa respeitando a legislação”, acrescentou.

No começo de fevereiro, o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) prorrogou a vigência da MP, que agora pode ser votada até o início de abril. A Comissão Mista encarregada de analisar o texto é presidida pelo deputado Rogério Rosso (PSD-DF), tendo como relator o senador Cidinho Santos (PR-MT).

Embora tenha declarado que a MP “está cheia de problemas”, Rosso (foto à dir.) afirmou também que pretende colocá-la em votação logo que houver uma definição do Supremo. Por ora o tema fica parado na Comissão, mas os servidores devem se manter em alerta, aponta a diretoria do Sintrajud.

Progressividade

A liminar do ministro Lewandowski foi concedida em uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida pelo PSOL. Na ocasião, o ministro apontou que, com a MP, “os servidores públicos do Poder Executivo Federal seriam duplamente afetados pelo mesmo ato. Primeiro, por cercear-se um reajuste salarial já concedido mediante lei; depois por aumentar-se a alíquota da contribuição previdenciária, que passa a ser arbitrariamente progressiva, sem qualquer consideração de caráter técnico a ampará-la”.

O artigo 37 da MP 805 fixa duas alíquotas de contribuição previdenciária: uma de 11% sobre a parcela dos vencimentos até o teto do Regime Geral e outra de 14% sobre a parcela acima desse limite. Entidades de classe que entraram com ações contra a MP apontam que isso representa elevação de 27,27% na contribuição. Somando os 14% de contribuição previdenciária com os 27,5% de Imposto de Renda, muitos servidores públicos passarão a recolher para o governo 41,5% dos seus rendimentos. Segundo as entidades, isso configura um confisco.

Além da Ação Direta de Inconstitucionalidade do PSOL, outras nove ações contra a MP 805 aguardam análise do STF. O Sintrajud também ingressou com ação contra o aumento da alíquota, em processo que tramita na 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas