Fux pede vista e suspende julgamento da primeira ação contra reforma trabalhista


11/05/2018 - helio batista

O julgamento da primeira das 16 Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) contra dispositivos da reforma trabalhista foi suspenso novamente pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira, 10.

Na ação, a Procuradoria-Geral da República (PGR) questiona a constitucionalidade das normas que obrigam o trabalhador a pagar os honorários advocatícios e periciais quando perder um processo na Justiça do Trabalho, mesmo sendo beneficiário da justiça gratuita. Também é contestado o dispositivo segundo o qual o trabalhador beneficiário da justiça gratuita deve pagar as custas do processo quando faltar à audiência e não apresentar justificativa.

Edson Fachin. (Foto: STF)

O julgamento foi suspenso por um pedido de vista do ministro Luiz Fux, após o voto do ministro relator, Luis Roberto Barroso, que rejeitou parcialmente as alegações da PGR alegando que a intenção das mudanças introduzidas pela ‘reforma’ é reduzir o volume de processos e que isso seria benéfico aos trabalhadores. Antes da suspensão do julgamento, porém, o ministro Edson Fachin leu o seu voto, favorável à declaração de que as normas são inconstitucionais. Fachin ressaltou que “verifica-se, a partir de tais restrições, uma possibilidade de negar-se direitos fundamentais dos trabalhadores.”

O voto de Fachin destacou que, ao restringir o direito à gratuidade, os dispositivos da reforma trabalhista acabam impedindo o acesso à Justiça e aos direitos trabalhistas.

Honorários de perícias e custas judiciais

Luis Roberto Barroso (Foto: STF)

Embora tenha falado em favor da Justiça do Trabalho e destacado que esse é o ramo do Judiciário Federal com a maior eficiência, Barroso propôs que os honorários periciais sejam pagos com créditos que o trabalhador venha a obter na Justiça, mesmo que em outro processo, desde que o desconto não ultrapasse 30% do crédito. Entrariam neste critério os trabalhadores que receberem indenizações trabalhistas de, no mínimo, o valor do teto do Regime Geral de Previdência Social (R$ 5.645,80).

O ministro ainda considerou válida a regra sobre cobrança de custas judiciais dos beneficiários da justiça gratuita que faltarem a uma audiência. De acordo com o voto de Barroso, esses trabalhadores, se quiserem entrar com nova ação, têm de pagar as custas judiciais decorrentes do arquivamento.

As normas que obrigam o trabalhador a pagar os custos do processo estão entre os pontos mais criticados da reforma trabalhista e já levaram a decisões esdrúxulas, como a que em dezembro passado, em Volta Redonda (RJ), condenou em primeira instância uma mulher ao pagamento de R$ 67,5 mil ao seu antigo empregador, o banco Itaú.

Os dispositivos também são apontados como uma das principais causas para o número de novas ações na Justiça do Trabalho ter caído pela metade após a entrada em vigor da reforma.

 

Leia mais:

“Greve é uma arma iminente dos trabalhadores na garantia dos seus direitos”, afirma Procurador do Trabalho

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas