CSP-Conlutas convoca 1º de Maio classista contra presença de Maia, Alcolumbre, Lula e FHC em live de centrais

Às 11h, ato político e cultural será transmitido online; às 20h30 acontece um novo panelaço exigindo andamento dos pedidos de impeachment do atual governo.

A CSP-Conlutas, central sindical à qual o Sintrajud é filiado, e a Intersindical convocam todos os trabalhadores a participar da transmissão ao vivo que vão realizar amanhã – 1º de Maio (Dia Internacional de Luta dos Trabalhadores). A atividade reivindica o caráter classista que marca a história da efeméride e terá início às 11h pelas páginas das centrais no Facebook, no YouTube e no Instagram.

Às 11 horas, o ato político e cultural será virtual, em respeito à necessidade de confinamento e em defesa do aumento do percentual de quarentena no país para reduzir a curva de contágio pelo novo coronavírus, que já matou mais de 5.500 pessoas e infectou pelo menos 79 mil brasileiro (número de casos confirmados até a publicação deste texto). O tema da live será “Em defesa dos direitos, salário, emprego e renda! A vida acima do lucro: manter a quarentena!”.

Às 20h30 acontecerá um panelaço em defesa da vida e do ‘Fora, Bolsonaro!’

Na mesma semana em que o Senado articula com o governo aprovar a manutenção do congelamento de salários dos servidores públicos por mais 18 meses, no mínimo, e a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados está sentada sobre quase 30 pedidos de abertura de processo de impedimento do presidente Jair Bolsonaro, a atividade unitária que estava sendo convocada para este 1º de Maio foi rompida pela CUT, Força Sindical, CTB e outras parceiras.

CGTB, CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central Sindical, Pública Central e UGT decidiram convidar: o deputado federal Rodrigo Maia (DEM/RJ e presidente da Câmara dos Deputados); o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM/AP), e o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, para a transmissão ao vivo que vão fazer amanhã entremeada com apresentações artísticas. Também foram convidados os ex-presidentes Lula (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) e o atual governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Em arte divulgada no dia de hoje pela CUT, a ex-presidente Dilma Rousseff também aparece como presença confirmada.

Maia comandou a aprovação da “Nova previdência” de Bolsonaro no Congresso Nacional, fez aprovar na Câmara as medidas provisórias baixadas pelo governo federal que reduzem salários e atacam direitos, como a MP 905 – do contrato verde e amarelo – e promete regularmente reduzir os vencimentos do funcionalismo tão logo seja possível. Sua briga com Bolsonaro é vista pela direção do Sintrajud como uma disputa apenas de qualificação perante o capital internacional sobre quem melhor aplica as medidas de “ajuste fiscal”.

“Os governadores e prefeitos, por mais que mantenham medidas de isolamento, não tomam medidas efetivas para enfrentar a propagação do coronavírus como cobrar as dívidas de sonegação de impostos nos estados e municípios para reverter verbas urgentes para a saúde. Pelo contrário, começam a ceder à pressão capitalista e tentam apressar a “volta ao normal”, ressalta a nota da CSP-Conlutas.

* Atualizado às 15h40, para incluir a menção a Dilma Rousseff.