CSP Conlutas Sintrajud Fenajufe
SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO
12/set/2018

Congresso mais conservador desde 1964 deve ter baixa renovação

Qual o impacto dessa realidade para os trabalhadores?

As eleições de 7 de outubro estão chegando e o que mais se discute na sociedade é a insatisfação com a política e os políticos, a falta de expectativas positivas sobre o futuro. O chamado desalento.

Esta é uma realidade perigosa para os trabalhadores, pois quanto mais pessoas do povo se afastam do debate sobre os rumos do país, mais fácil para os aventureiros, corruptos, patrões e inimigos dos trabalhadores se perpetuarem no controle da Nação.

E olhando o cenário das votações já realizadas pelos atuais parlamentares que mais uma vez se candidatam à reeleição ou a uma vaga no Senado, evidencia-se a importância dos trabalhadores analisarem bem o histórico de candidatos e partidos.

Envolvimentos em esquemas corruptos, venda de votos, ataques aos direitos dos trabalhadores precisam ser lembrados na hora de confirmar o voto na urna, para que não se aprofunde o desalento que hoje polariza a sociedade brasileira e a torna ainda mais violenta.

Por isso, convidamos a categoria a mais uma vez refletir sobre a necessidade de participar do processo eleitoral cobrando as nossas demandas nas ruas e nas urnas.

As eleições não vão mudar as nossas vidas para melhor, mas seu resultado pode tornar ainda pior a realidade que temos vivido. Este Congresso Nacional foi apontado por vários analistas logo no início da atual legislatura como o mais conservador desde o golpe empresarial militar que submeteu o país a 21 anos de ditadura, tortura e mortes.

A luta e mobilização dos trabalhadores derrotou a ditadura. E não aceitaremos sem luta que nada similar retorne.

Repúdio à violência

Quando concluíamos esta edição o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) havia sido esfaqueado por um lunático que se declarou “enviado de Deus”. A direção do Sintrajud manifesta veemente repúdio ao ataque físico ao candidato, embora repudie tudo o que a candidatura de Bolsonaro significa – racismo, machismo, LGBTfobia, entreguismo do patrimônio nacional e incitação ao ódio e à violência que terminou por se voltar contra ele próprio.

O ataque físico aos divergentes é uma prática típica dos regimes totalitários, que não queremos em vigor nunca mais em nosso país.

Compartilhar: