Coletivo de Mulheres divulga calendário de formação e atividades até o fim do ano


30/08/2021 - Shuellen Peixoto
Cursos abertos para toda categoria sobre feminismo, combate ao machismo, opressão e à violência são parte das atividades que acontecerão ao longo do segundo semestre.

Coletivo de Mulheres do Sintrajud – Mara Helena dos Reis definiu um novo calendário de atividades para dar continuidade ao ciclo de formação sobre feminismo, a luta contra toda forma de opressão e o machismo na sociedade. O calendário, que prevê cursos de formação e rodas de conversa para serem realizadas até o final do semestre, foi debatido na reunião do Coletivo no dia 25 de agosto.

Desde o início do ano foram realizados três cursos de formação, uma roda de leitura, duas rodas de conversas e duas lives temáticas, com o objetivo de aprofundar o debate sobre o feminismo classista e contribuir na formação das servidoras, trabalhadoras terceirizadas e funcionárias do Sindicato. Dando continuidade ao calendário, a participação das mulheres da categoria na mobilização contra a PEC 32/2020 (a ‘reforma’ administrativa  que retira direitos dos servidores e destrói o serviço público brasileiro) ganhou lugar de destaque.

Ainda neste segundo semestre serão realizados dois cursos de formação, no dia 23 de outubro (sábado) acontecerá o curso “Gênero, sexualidade e feminismo: enfrentando o machismo estrutural” e no dia 27 de novembro a palestra “O que são violências de gênero e quais as suas origens”, para marcar os 21 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, período entre o dia 20 de novembro e 10 de dezembro, impulsionado pela ONU para erradicar esse tipo de violação.  Os cursos de formação serão abertos para participação também dos homens da categoria, com o objetivo de avançar no debate.

Além dos cursos, também está programada mais uma roda de conversa e música, no dia 6 de outubro (quarta). As rodas são espaços de debate e acolhimento voltado para as servidoras, trabalhadoras terceirizadas e funcionárias do Sindicato. Além da conversa, também serão realizadas algumas apresentações musicais de servidoras da categoria.

Para Cátia Machado, servidora da Justiça Federal de Bauru, a realização de atividades que promovam a interação e incentivem a formação, fortalece as mulheres para que assumam cada vez mais o protagonismo nas mobilizações e lutas. “Desde 2018, com as manifestações do #EleNão [contra Jair Bolsonaro], as mulheres fizeram um diferencial. Conseguimos definir um espaço de protagonismo na política, com um discurso forte que busca agregar mais pessoas para construir uma agenda de transformação social. Ter cursos, rodas de conversa e atividades é essencial neste sentido, só o fato de estar aqui pensando em políticas públicas e transformação da realidade já é um grande passo, um passo muito importante, é a busca por conseguir a empatia no outro”, afirmou. Cátia também é cantora e destaca que sua arte é parte da militância política. A reunião foi encerrada com a apresentação de uma das músicas de sua autoria: “Galo Triste” (veja aqui).

O Coletivo Mara Helena dos Reis

O Coletivo de Mulheres do Sintrajud adotou o nome Mara Helena dos Reis em homenagem à servidora da Justiça Federal em São Bernardo do Campo e ex-diretora de base vítima de feminicídio cometido pelo homem com quem vivia, em 2018. Fundado um ano antes, o colegiado já realizou diversos seminários de formação política feminista e transmissões ao vivo durante a pandemia para debater direitos das mulheres.

A principal campanha do Coletivo é o combate ao assédio sexual no Judiciário Federal, que tem a cartilha ‘Assédio sexual: a culpa nunca é da vítima’ (baixe aqui o PDF) como material de apoio e já fez com que o TRF-3 e o TRT-2 avançassem na constituição de comitês específicos para tratar do tema. O Sindicato defende a estruturação de uma política institucional de enfrentamento ao assédio sexual no PJU.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas