Coletivo de Mulheres celebrará Tereza de Benguela

Atividades vão homenagear o Dia da Mulher Negra Latino-americana e a memória da primeira líder quilombola brasileira.

No ano passado, integrantes do Coletivo participaram do ato pelo 25 de julho. Foto: arquivo Sintrajud

 

O Coletivo de Mulheres do Sintrajud – Mara Helena dos Reis participará pelo segundo ano consecutivo das celebrações do Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha (25 de julho). A data marca o debate sobre as desigualdades sociais e raciais enfrentadas pelas mulheres negras na região.

Além do ato convocado no dia pela Marcha das Mulheres Negras, o Coletivo realizará nova corrida em 27 de julho.

As mulheres negras ainda ocupam os piores postos de trabalho e são sub-representadas nos cargos eletivos e de direção. No Judiciário não é diferente. No TRF, segundo dados pedidos em 2018, as mulheres eram 48% do quadro, negros e negras somavam apenas 17% no total de servidores e 0,7% ocupavam CJ1 a CJ4 (não obtivemos a estratificação racial por sexo).

Dia de luta

O 25 de julho foi instituído no I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, em 1992, em Santo Domingo, na República Dominicana. No Brasil, resgata também a história da primeira mulher a comandar um quilombo – território de resistência à escravização. Tereza foi reconhecida na historiografia como líder do Quilombo do Quariterê, atual Estado do Mato Grosso, por ao menos duas décadas.

Fechar Menu

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas