Centrais sindicais convocam manifestação nesta 6ª às 19h em apoio aos caminhoneiros


25/05/2018 - Luciana Araujo

Após os caminhoneiros autônomos rejeitarem o acordo firmado na noite desta quinta-feira (24 de maio) com representações patronais de transportes de cargas, o governo Temer decretou na tarde de hoje intervenção federal em todo o território da União, autorizando a Força Nacional a atuar para desbloquear as rodovias do país em mais uma tentativa de por fim à greve caminhoneira que completa cinco dias. Em repúdio à repressão militarizada à paralisação dos motoristas de caminhão, contra os aumentos de preços dos combustíveis e em defesa da Petrobras, a CSP-Conlutas e a Frente Povo Sem Medo (integrada pela CUT e a CTB, além de movimentos sociais e estudantis) convocam um ato com início no vão livre do Masp às 19 horas desta sexta-feira (25 de maio).

Leia também: Greve dos caminhoneiros expõe desmonte da Petrobras e coloca governo contra a parede

O acordo que a Presidência da República e ministérios fecharam ontem com empresários e algumas organizações que reivindicam a representação da categoria foi rejeitado pelos caminhoneiros autônomos, que mantiveram os bloqueios de estradas em 22 estados e no Distrito Federal. Diante da ampliação do apoio à mobilização caminhoneira, com manifestações também de petroleiros, motoristas de transporte escolar, metalúrgicos e outras categorias, o governo que criou a crise apelou à “saída” militar.

As organizações e entidades que convocam o ato consideram inaceitável o uso da força contra trabalhadores que defendem não só os seus interesses corporativos, mas representam hoje uma demanda de toda a população pela redução dos preços dos combustíveis, tarifas de pedágio e gás de cozinha.

Leia também: Greve de caminhoneiros repercute no Encontro de Aposentados e Pensionistas do Sintrajud

A diretoria do Sintrajud reafirma seu apoio à greve dos trabalhadores caminhoneiros, repudia as decisões judiciais que autorizam também o uso da força num momento de ataques à Justiça do Trabalho como instituição garantidora de direitos, e defende a articulação de atos amplos e unitários em solidariedade aos caminhoneiros e contra a intervenção militar, rumo à construção de uma greve geral.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas