Após reação de servidores, TRF-3 exclui coparticipação do futuro plano de saúde


18/06/2021 - Redação
Categoria vinha se mobilizando contra a cobrança; Sintrajud reivindica maior participação do Tribunal no custeio da assistência médica

O futuro plano de saúde para servidores e magistrados do TRF-3 e da JF não deverá cobrar coparticipação. A previsão dessa cobrança – pela qual os usuários devem pagar parte dos procedimentos médicos e hospitalares que utilizarem, além das mensalidades regulares – foi retirada dos termos de referência do edital de licitação do novo plano.

O juiz Marcio Catapani, diretor do Foro, comunicou a retirada da coparticipação durante a audiência pública convocada para discutir nesta quinta-feira, 17 de junho, o orçamento da seção judiciária de São Paulo para 2023.

A decisão veio depois de forte reação dos servidores, que juntamente com o Sintrajud manifestaram indignação com a possibilidade dessa cobrança desde que o termo de referência foi discutido em outra audiência, na semana passada. Na última terça-feira, em assembleia setorial, os servidores haviam decidido se mobilizar contra a coparticipação.

 

Assembleia setorial dos servidores do TRF-3 e da JF, em 15 de junho.

Dados sobre sinistralidade

Na audiência pública da semana passada, que durou mais de sete horas, o Sindicato apresentou outros questionamentos ao termo de referência e pediu a realização de nova audiência. O diretor do Foro declarou, porém, que dificilmente o Tribunal realizará nova discussão pública acerca do documento.

Já as operadoras de planos de saúde haviam pedido a aplicação de um índice financeiro, além da sinistralidade (o índice que mede a utilização do plano e que serve de base para o cálculo do reajuste das mensalidades). A Amil pediu ainda a inclusão de uma provisão para gastos imprevistos.

O advogado César Lignelli, coordenador do departamento jurídico do Sindicato, observou que a Amil também invocou o sigilo imposto pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em vigor desde o ano passado, para dificultar ainda mais o acesso aos dados que justificariam os reajustes de mensalidades. O TRF-3 tem negado ao Sindicato o acesso às informações sobre a sinistralidade registrada pela operadora.

Orçamento não executado

A categoria também cobra do Tribunal o aumento do gasto orçamentário com a assistência médica, com suplementação e execução integral das dotações, já que o TRF-3 vem deixando de utilizar dentro do exercício financeiro a totalidade da verba disponível para essa rubrica. Nos outros TRFs, não só a verba foi totalmente executada, como houve suplementação orçamentária.

De acordo com levantamento feito pelo economista Washington Moura Lima, assessor do Sintrajud, no ano passado o TRF-3 deixou de executar cerca de R$ 2,4 milhões dos R$ 12 milhões disponíveis para essa rubrica. O gasto médio per capita com a assistência médica acabou ficando abaixo dos demais TRFs.

Todos os outros Regionais Federais do país obtiveram suplementação, assim como tribunais de outros ramos do Judiciário Federal. Neste ano, o TRF-5 já recebeu suplementação orçamentária equivalente a 170% de sua verba para assistência médica.

“Nos últimos anos, nossa participação proporcional no custeio do plano só vem aumentando e a do Tribunal, diminuindo”, apontou o diretor do Sintrajud Tarcisio Ferreira. Além da suplementação dos recursos previstos para 2021, o Sindicato defende o aumento em caráter permanente da dotação orçamentária da assistência médica.

Dirigentes do Sindicato e servidores lembram que a categoria vive um congelamento salarial e enfrenta o aumento de despesas, como as novas alíquotas de contribuição criadas pela ‘reforma’ da Previdência. Até por isso querem que o novo plano não traga surpresas negativas, nem no valor das mensalidades nem na qualidade do atendimento.

Na assembleia setorial, servidores também criticaram o caráter regressivo da tabela com os valores das mensalidades. “Quem ganha menos acaba pagando mais, proporcionalmente”, disse uma servidora. “Temos uma disputa no orçamento com os juízes e desembargadores”.

Eles ainda enfatizaram a defesa do SUS, feita pela categoria e pelo restante do funcionalismo público. Neste sábado, o Sintrajud, a CSP-Conlutas e outras entidades sindicais se juntam à manifestação pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro (e do vice, Hamilton Mourão), quando vão protestar também contra a proposta de ‘reforma’ administrativa (PEC 32/2020) que ameaça os serviços públicos no país. Em São Paulo, a concentração está marcada para as 15h, em frente ao Masp, na Avenida Paulista.

Autogestão

A audiência pública que discutiu o termo de referência teve a participação de representantes de três operadoras de plano de saúde, entre elas a Amil, gestora do plano atual. “As três pediram reajuste financeiro, além da sinistralidade, e a administração do Tribunal ficou de avaliar”, alertou o diretor Tarcisio Ferreira.

O contrato em vigor com a Amil foi prorrogado por um aditivo até no máximo 1º de dezembro, depois que a empresa comunicou no mês passado seu desinteresse em manter nos termos atuais a operação para os servidores da capital e de algumas regiões do estado. A Lei de Licitações e o contrato permitiam a prorrogação por mais 30 meses, mas a operadora decidiu abrir mão dessa possibilidade mesmo depois de reajustar as mensalidades em maio.

A participação da Amil na audiência que discutiu o termo de referência da futura licitação indica seu interesse em um novo contrato, provavelmente com mensalidades mais elevadas.

Diante da pressão das empresas do setor, o Sintrajud vem reivindicando do Tribunal também a continuidade do debate e estudo sobre a implantação do modelo de autogestão, como possível alternativa à contratação das operadoras, que formam um mercado cada vez mais concentrado.

Um grupo de estudos sobre a viabilidade da autogestão foi formado na gestão anterior do TRF-3 e contou com a participação do Sindicato. O grupo chegou a encaminhar um relatório, mas depois disso não se teve mais notícia de nenhuma providência do Tribunal acerca do tema.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Generic selectors
Apenas termos exatos
Buscar nos títulos
Buscar nos conteúdos
Buscar em Publicações
Buscar nas páginas